Entrevista com Maximiliano Moraes

Maximiliano Moraes é brasiliense e trabalha com música há 25 anos. Cantor, compositor, produtor e arranjador, participou de vários trabalhos em CD e DVD, dentre eles Klim Kideshim, Diante do Trono, Ipiranga e Antônio Cirilo. Hoje é membro da Igreja do Nazareno Central de Campinas e auxilia no louvor da igreja, tanto em grupos quanto corais, sendo também preparador vocal e professor. Paralelamente, é blogueiro e apaixonado por carros. Testa modelos nacionais e importados e escreve sobre eles em seu blog.

maximilianomoraes

Virtual Gospel: Por muitos anos você foi o arranjador vocal do Diante do Trono. Colaborou também com muitos outros ministérios, dentre eles o Ministério Ipiranga, de São Paulo. Lançou seu primeiro e único CD até agora (Em Todo Lugar) em 2007. E agora, por onde você anda, Max?
Maximiliano Moraes: Hoje sou membro da Igreja do Nazareno Central de Campinas. Tenho contribuído com o ministério de louvor local, tanto no Coral Sênior da igreja quanto em grupos de louvor escalados para cultos durante a semana. Tenho ainda ministrado, juntamente com meu pastor, em igrejas de toda a região de Campinas, bem como viajado para ministrar e promover palestras, workshops e seminários cujo foco é a preparação de grupos de louvor locais na parte técnica, espiritual e relacional. Continuo também trabalhando como músico, lecionando, produzindo, cantando e tocando. Um novo CD também está em meus planos, mas sem qualquer data prevista. Prefiro deixar isso nas mãos de Deus, para que, no tempo certo, o sonho se torne realidade.

VG: Conte-nos um pouco sobre o trabalho que tem desenvolvido através dos workshops.
MM: Os workshops que tenho promovido ou participado são pequenas mostras do que pode ser feito para melhorar o desempenho de um ministério de louvor, sempre com atividades práticas. Os exemplos dados são essenciais para que os participantes tomem conhecimento de todas as alternativas possíveis para melhorar aspectos relacionados à música no culto. Neles, também costumo compartilhar experiências ministeriais e, baseado nelas e na Palavra, dar dicas para solucionar, de acordo com a realidade local, problemas de ordem espiritual e relacional no grupo. Acredito que esses workshops são uma ferramenta importante para dar a igrejas menores a oportunidade de investir em seus ministérios de música com um custo acessível para elas.

VG: Qual a importância para o músico em aprimorar seus conhecimentos, seja através de eventos como os que você tem realizado ou até mesmo de aulas?
MM: Parto do princípio de que é sempre melhor se nivelar por cima. Quando um músico está no altar, ele precisa entender todos os papéis que a música pode exercer no culto: adoração, evangelismo, edificação, ensino. No que diz respeito à adoração, de fato não é preciso muito preparo técnico para isso porque não é a perfeição técnica que toca o coração de Deus, mas um coração contrito. Só que naquele culto pode haver pessoas que precisam de Jesus, e essas podem ter diferentes culturas, níveis de educação e padrões de vida. Se, como adorador, você não precisa de tanta técnica, como uma pessoa que evangeliza com música, por exemplo, você precisa. Quem é simples ou tem pouca cultura musical pode ser tocado tanto pelo que é tecnicamente ruim quanto pelo que é bom, mas para quem tem mais cultura a possibilidade de ser tocado por uma música mal feita é bem menor.

VG: Através dos eventos que você tem realizado, conseguiria traçar um panorama ou apenas descrever o que tem visto nos ministérios de louvor com relação à estrutura, ensaios, nível de conhecimento e interesse?
MM: É difícil responder isso de forma prática. Do mesmo jeito que tenho encontrado ministérios dispostos a investir, crescer e frutificar, tenho visto outros ministérios perderem o foco e até desistirem da caminhada. De todas as formas, pelo que tenho visto, consigo concluir que, definitivamente, não é preciso uma estrutura grande para conseguir bons resultados. Tudo se trata de adequar os recursos físicos aos recursos humanos de forma consciente e sempre de acordo com a vontade de Deus.

VG: Quais são os maiores erros que líderes e ministérios de louvor têm cometido em suas jornadas?
MM: Falta de relacionamento. É preciso dar mais valor às coisas simples em grupo: aos jantares de “junta-panelas”, aos momentos de descontração, aos filmes com pipoca e refrigerante, aos passeios simplesmente para curtir a presença um do outro. Vida com Deus é importante, sem dúvida, mas não existe vida com Deus sem relacionamento. Ninguém progride nem vence sozinho. É uma pena, mas apesar de tantas canções e mensagens estimulando a união, há muitos ministérios que têm caminhado divididos entre si, num ambiente de competição e não de comunhão, com líderes que se consideram mais santos que seus liderados e só se relacionam com outros líderes. Não deveria ser assim; Jesus não somente ensinou seus discípulos, mas andou, comeu, riu, chorou, abraçou, enfim, viveu uma vida de comunhão plena com eles.

VG: Com relação às produções que foram lançadas recentemente em CD/DVD, nacional ou internacional, o que agradou e merece destaque?
MM: Já ouviu o ditado que diz que em casa de ferreiro, o espeto é de pau? Por trabalhar com música e ouvir muita coisa todos os dias, prefiro descansar a mente de outras formas quando chego e não ouço tanta música em casa quanto muitos pensam. Mas há um trabalho recente que me edifica muito, o último CD da Nívea. Tenho ouvido algumas coisas do Leeland também, algo que começou como pesquisa e acabou me tocando muito.

VG: Muito se fala da profissionalização da música cristã, com músicos mais conhecedores de seus instrumentos, melhores produtores, arranjadores. Qual sua opinião com relação a essa profissionalização?
MM: Quando se fala em profissionalizar, automaticamente deve ser levada em consideração a remuneração. Mas há igrejas que ainda estimulam a profissionalização e fogem à responsabilidade da honra financeira. Apesar de eu ser um defensor do estudo da música para melhorar o serviço na casa de Deus, entendo que não é razoável exigir de irmãos que se doam uma postura profissional. Acredito que é, sim, necessário buscar aperfeiçoar os conhecimentos, mas dentro de um panorama viável.

VG: Deixe uma mensagem para todos os internautas do site Virtual Gospel.
MM: Sejam simples. Diversifiquem os relacionamentos, aprendam com eles e se esforcem para mantê-los. Abracem mais. Gastem mais de seu tempo se doando ao próximo. Amem mais e abram mão de seus julgamentos. Busquem aprender mais sobre a graça de Deus e viver mais nela.

Contato com Maximiliano Moraes
Fan Page – www.facebook.com/arranjovocal
Twitter – @Max_Moraes
Blog – www.racionauto.blogspot.com

Conteúdo: Renan Lima (Twitter @renan_lima1) – Editor-chefe do site Virtual Gospel

Deixe uma resposta